domingo, 28 de agosto de 2011

QUASE ENFORCADA










Mais uma vez satisfazendo o DONO de mim em um castigo um pouco mais difícil, mantendo-me imóvel na medida do possível, controlando a respiração com certa dificuldade, e, em alguns momentos, tentando permanecer nas pontas dos pés, para evitar que as cordas apertassem ainda mais o pescoço. Novamente a agonia que exibi nos últimos momentos encheu de prazer o SENHOR de mim. E novamente fui preenchida por uma extrema felicidade por poder proporcionar-lhe aquilo que ELE espera de mim.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

4 ANOS DE ESCRAVIDÃO!



Hoje, em 24/08/2011, completei 4 anos desde o momento em que decidi abrir mão de todas as vontades e entregar-me por completo ao DONO de mim. Foi a útima decisão que tomei na vida.

Não podia deixar que esta data passasse em branco. E estou aqui para comemorar e reafirmar o compromisso de manter-me fiel, indefinidamente, sob o domínio do MESTRE que me conduziu nesta caminhada, revelando-me o verdadeiro sentido da existência, que a partir daquele dia tornou-se exclusivamente propriedade DELE. E que ELE continue a usar-me das formas que melhor LHE satisfizerem, até quando desejar!


domingo, 21 de agosto de 2011

PASSEANDO NA PRAIA.






















Com as mãos para trás, os pulsos e tornozelos algemados, caminhando ao entardecer.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

GRILHÕES.









Ajoelhada diante do espelho em mais um castigo.


quarta-feira, 10 de agosto de 2011

RECORDAÇÕES.













Uma das primeiras imobilizações com cordas a que fui submetida, há quase 4 anos atrás. E em seguida usada pelo DONO de mim.


domingo, 7 de agosto de 2011

UM CASTIGO MAIS SOFRIDO.

























Com certa frequência o DONO de mim necessita por para fora uma dose maior do SEU sadismo. E é para isso que eu sirvo. Para oferecer-LHE a oportunidade de se livrar do stress de toda uma semana de trabalho intenso. É a terapia DELE. É assim que se torna possível que ELE relaxe um pouco mais. Assim, nos fins de semana, sou submetida a torturas um pouco mais intensas e demoradas, como é o caso dessas imagens: a canga encurvando-me o pescoço e prendendo os pulsos, as pernas forçadas a abrir-se pelo afastador, o cavalete pressionando-me por baixo dolorosamente e levando-me a tentar permanecer nas pontas dos pés tanto quanto possível. Com o passar do tempo as dores no pescoço, vagina e músculos das pernas vão se agravando progressivamente, até um ponto em que não consigo mais segurar as lágrimas. É nesse momento em que percebo o êxtase no SEU rosto, ao ver-me atingir o limite de sofrimento quase insuportável. Isso me basta para que eu aguente um pouco mais e espere que ELE decida até quando manter o suplício. Até quando for suficiente para ELE.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

CASTIGO NO BANHEIRO.



























Em viagem que realizamos recentemente, este foi um dos castigos: sentada na privada, vendada, algemada e acorrentada.